• EQUIPE LABDESPERTAR

Sexo sem penetração é possível e garante muito prazer ao casal

Atualizado: 3 de Set de 2019


Uma pesquisa realizada com 1.370 mulheres de todo o Brasil mostra que para 60%, o prazer sexual está muito antes da penetração. Realizada pela Prazerela, entre junho e agosto de 2018, o estudo ainda mostra que 74% sempre tem orgasmos na masturbação, mas apenas 17% sentem prazer na penetração. Ou seja, para grande parte destas mulheres, a melhor parte do sexo está nas preliminares. Mas, ao contrário do que muita gente pensa, o sexo pode acontecer sim sem a penetração de fato.


“Basicamente, sexo é uma interação íntima com o outro. E a hora que você está lá entre quatro paredes, trocando olhares e carícias, isso é sexo”, diz Mariana Stock, fundadora da Prazerela.

Onde estão os ingredientes?

Para ter um sexo mais feliz, antes de tudo é preciso conhecer o próprio corpo e saber o que te dá prazer, explicam os especialistas.

“A questão da mulher não ficar à vontade com o próprio corpo, de se tocar, é porque ela é condicionada a isso. Desde pequenininha, ela recebe um estímulo negativo, enquanto o menino recebe um estímulo positivo”, comenta a psicóloga especializada em sexualidade humana Sandra Lima Vasquez.

“Faz parte se apoderar de seu corpo e se tocar. Ela pode, por exemplo, ir para o banho e se ensaboar devagarzinho, assim ela vai percebendo que lugares são mais gostosos de se tocar”.

“Se a gente fizer uma comparação com a cozinha, por exemplo, para você cozinhar bem, você precisa saber onde estão os ingredientes, os apetrechos”, brinca. “No sexo também é assim, você precisa prestar atenção no corpo, no que gosta, prestar atenção nas suas fantasias sexuais”.

“Língua mole ou dura”?

Depois de descobrir mais sobre o próprio prazer, o ideal é trocar informações com o parceiro, de preferência antes de momentos íntimos. Se não der tempo de conversar, segundo Sandra, a mulher pode ir orientando o parceiro. “Pode ir dizendo ‘fica mais um pouquinho aí, adoro esse beijo no pescoço, não para’”.

Para combater a vergonha, a dica é elogiar algo que o parceiro fez bem e depois fazer um pedido.

“Não precisa pesar na hora de falar, você pode fazer um elogio e depois fazer um acréscimo”, brinca, “pois mesmo o sexo oral, os homens têm dificuldade de saber como faz.” Entre as sugestões, as mulheres podem dizer para o parceiro deixar a língua mais suave ou mais dura, ou acariciar ao redor do ponto de excitação e não ir diretamente a ele.

“Claro que se chegar uma hora que você já falou uma, duas, três e a pessoa não ouve, você precisa ser mais enfática. É bom dizer ‘eu não fiz para você? Então faz para mim, eu também quero’”.

Ter um pênis não é tudo!

Buscar ter sexo sem penetração pode ser uma ótima pedida para descobrir ou redescobrir o prazer.

É um jeito de explorar os sentidos, as fantasias e descobrir outras coisas legais do sexo. “O importante é que seja prazeroso e consensual”, diz Sandra.

Segundo Mariana, os homens também sofrem com a dinâmica falocêntrica, ou seja, que considera o pênis o centro do sexo. “É uma epidemia de homem com ejaculação precoce, com dificuldade de ereção”, comenta.

“Na hora que o homem também descobre essa troca de olhares, esse beijo de língua… Todo mundo ganha. Quer sexo mais íntimo que duas línguas, uma penetrando a boca da outra? Os homens precisam entender o que eles ganham nessa história, senão eles ficam resistentes”.

Além da masturbação

Segundo a psicóloga especializada em sexualidade humana Sandra Lima Vasquez, o sexo sem penetração vai muito além da masturbação mútua. “Temos que fugir daquela história que sexo sem penetração é só estimular os genitais um do outro. A gente tem que falar em explorar os sentidos. Quais são? Tato, paladar, olfato, o olhar… Todos os nossos sentidos podem entrar. Você pode olhar a outra pessoa, cheirar, lamber… enfim, explorar.”

A exploração dos sentidos pode ser considerada uma preliminar ou não. “Tanto pode ser uma preliminar, como você pode encarar essa troca, essa exploração de sentidos, como o melhor da história,” explica Sandra. “Tem pessoas que podem ter orgasmo só com a estimulação do mamilo, ou com outros tipos de carícias”.

Prazer pelo corpo

Nas sessões, cursos e workshops do studio LABtantra Curitiba, você pode aprender a explorar mais do sexo. Nossos cursos de Tantra e vivências para casais são recursos que podem mudar para sempre o seu jeito de ter orgasmo. Por aqui, a orientação inicial é "sentir o corpo inteiro", utilizar técnicas de respiração e até mesmo ativar a energia elétrica corporal com uma massagem sutil feita com a ponta dos dedos.

A massagem tântrica é um bom exercício para um casal que quer descobrir outros caminhos no sexo. Fica a dica:

Experimente ficar sem roupa, em um ambiente privado e tranquilo. Um dos dois começa a carícia no outro, que está deitado de bruços. A massagem vai pelo corpo todo, desde o dedão do pé. Quem estiver recebendo a massagem pode orientar e exteriorizar o que está gostando, onde está mais suave, onde quer mais intensidade.

Em seguida, a pessoa se vira e o par começa de novo, dessa vez de frente, desde baixo e evitando os genitais, pois o objetivo é explorar as sensações do corpo. Quando terminar, o casal inverte.

Fonte: Roseane Aguirra, para o web site Yahoo + edição LABtantra

LABtantra Terapia e Massagem Tântrica em Curitiba

Telefone: (41) 99925-9192

Tantra, autoconhecimento e desenvolvimento humano


102 visualizações

Para esclarecimento de dúvidas  sobre serviços entrar em contato diretamente com as empresas e  profissionais filiados!

Labdespertar

CURITIBA - PARANÁ - BRASIL

WhatsApp 41 - 9.9925-9192

  • Facebook Page Labdespertar
  • Instagram Labdespertar
  • Comunidade LABtantra

©© 2017 Labdespertar.com.br

 CNPJ 20.997.273/0001-60.

O conteúdo deste  site é de domínio público, não há necessidade de pedir a nossa permissão para o compartilhamento de informações. Acreditamos que a promoção do bem-estar e da qualidade de vida em prol do desenvolvimento humano é de utilidade pública. Mas é claro que ficaremos gratos se você citar, creditar o conteúdo com link para o nosso site ou outros canais de comunicação Labdespertar.